Polinizando Ideias: Malangatana, a alma do seu povo em suas obras.

12496028_1276114689082174_6191333062159670304_o.jpg

Malangatana Ngwenya é um artista do mundo, nascido em Moçambique (1936-2011). Ele é reconhecido mais fortemente por suas pinturas, mas enveredou também por outros campos da arte como a música, o teatro, o cinema, a poesia, a escultura, a cerâmica, a tapeçaria e a dança.

Quando criança, sua mãe afiava dentes para os adolescentes, o que era moda naquela época e seu pai era mineiro na África do Sul. Recebeu sua primeira aula de pintura em um clube onde trabalhava como pegador de bolinhas de tênis em Maputo – capital de Moçambique. Seu mestre não foi um pintor profissional, mas sim um biólogo português, que lhe ofereceu materiais para que experimentasse pintar e, ao perceber o talento do menino, decidiu ajudá-lo a vender seus primeiros quadros. Em seguida, o arquiteto também português, Pancho Guedes, lhe disponibilizou um espaço adequado à pintura na garagem da sua casa.

Em 1960, Malangatana levou sua família para morar com ele em uma casa que comprara com o dinheiro dos primeiros quadros vendidos.

Sua arte interliga pessoas com a natureza e conta a história de sua gente, de sua terra. Mostra a opressão que sofriam por serem colônia de Portugal e, depois, os horrores da guerra civil. A paz também é refletida em seus momentos mais otimistas.

Suas obras correu o mundo e estão em países como: Portugal, Alemanha, Áustria, Bulgária, Chile, Brasil, Angola, Cuba, Estados Unidos, Índia, entre outros. Malangatana produziu ainda murais em Moçambique, na África do Sul, Suazilândia, Suécia e Colômbia.

Ajudou a criar muitas das instituições culturais que ainda estão em ação em Moçambique. Usou seu sucesso na arte em prol do desenvolvimento das crianças e do povo. Em 1984 a ONU-Organização das Nações Unidas o convidou para fazer parte do movimento “Artistas do Mundo contra o Apartheid”, em 1990 foi um dos fundadores do “Movimento Moçambicano para a Paz”. Patrocinou a escola “Vamos Brincar”, para que as crianças aprendessem a pintar e, por esse empenho com uma vida melhor para as crianças, foi nomeado Artista pela Paz pela Unesco, em 1997. Ele foi também um dos criadores do Museu Nacional de Arte de Moçambique e do Centro Cultura Malatana, cidade onde nasceu.

O poder transformador da arte foi utilizado na totalidade por Malangatana, que conseguiu movimentos, ações e obras que estão praticamente no campo do impossível, se consideradas as condições econômicas de seu país natal. Ele é referendado e não apenas por suas características artísticas e intelectuais, mas por nunca ter perdido o dom da simplicidade.

Para saber mais: http://noticias.sapo.mz/especial/malangatana/

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s