Café com a Oficina: Biomimética – A natureza inspirando soluções

coruja

A natureza, em seus 4,5 bilhões de anos, gerou a vida e muitas soluções incríveis de design e sustentabilidade. Não existe lixo em um planeta Terra sem os seres humanos e sim animais como o urubu, as formigas e bactérias recicladoras convertendo tudo em substâncias reutilizáveis e impressionantes como a teia da aranha ou a gosma do caramujo.

O design das libélulas, por exemplo, permite um bater de asas pouco usual. É um batimento cima-baixo em vez de frente-para-trás, podendo pairar no ar, voar para a frente, para trás, para os lados, mudar de direção instantaneamente e até voar de cabeça para baixo, o que as tornam os insetos mais manobráveis e rápidos, podendo chegar a 85 km/h. Este design arrojado e diferenciado inspirou o helicóptero (o primeiro helicóptero do mundo feito pela empresa americana Sicorsky, em 1946, chamava-se Dragonfly – libélula em inglês).

Este inseto tem muito mais a inspirar, pois seus sentidos visuais seriam considerados superpoderes para qualquer ser humano normal. Enquanto uma mosca tem 6.000 facetas o que lhe dá uma vista panorâmica de seus arredores, a libélula tem 30.000 facetas individuais, o que lhe dá visão 360°, além de outros tantos poderes visuais.

A idéia norteadora da Biomimética é a de que a natureza já resolveu inúmeros problemas, muitos dos quais os seres humanos estão enfrentando nos dias atuais. Assim, ela pode ser uma grande fonte de inspiração para o desenvolvimento de tecnologias, nos campos mais variados como a biologia, a agricultura, a química, a medicina, os transportes – como a libélula já inspirou, na arquitetura e em tantos outros.

Um exemplo da Biomimética em prática foi a solução encontrada para um problema que poderia impedir a ampliação de velocidade do trem-bala japonês. O problema aconteceu quando a velocidade do trem atingiu a marca de 270 km/h e a cada vez que saía de um túnel, comprimia o ar, provocando uma explosão sonora que fazia um barulho ensurdecedor que podia ser ouvido a 400 metros de distância. A solução foi encontrada em 1997 pelo engenheiro Eiji Nakatsu, que tinha o hobby de observar pássaros, e encontrou inspiração no vôo do martim-pescador. O design do bico deste tipo de pássaro lhe permite mergulhar na água, que é 800 vezes mais densa que o ar, sem espirrar quase nenhuma gota.

Nakatsu testou o protótipo do trem com o formato da parte frontal parecido com o bico do martim-pescador e provou que o ruído reduziu sensivelmente. Além disso, inspirou-se no voo silencioso da coruja e copiou o design de suas penas dentadas no mecanismo que liga o trem aos fios de alimentação de energia elétrica. O resultado foi um sucesso, pois sua solução não apenas reduziu o ruído, como também fez seu modelo ser 10% mais rápido e usou 15% menos eletricidade do que as versões anteriores.

Quantas soluções que você e sua empresa estão precisando já não foram arquitetadas pela natureza? Observar a natureza alimenta o cérebro, acalma a alma e diminuiu enormemente a arrogância.

Para saber mais:
Biomimética: Inovação inspirada na natureza
Janine Benyus

Foto “Penas dentadas de coruja”: Getty Images/BBCBrasil.com

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s