Café com a Oficina: Você sabe o que é F.O.M.O.?

fomo.jpg

Com a distribuição da informação a níveis nunca antes sonhados, veio também um certo desespero “em se saber que não se sabe o que se deveria saber”. Só a avalanche de novos termos para designar novos produtos, serviços ou sentimentos arrasta a todos, sem dó nem piedade.

F.O.M.O. que é a sigla em inglês para Fear Of Missing Out é um destes termos, que pode ou não ser duradouro, mas que traz em si um sentimento recorrente dos que não querem deixar de saber das novidades e entender as mudanças. A expressão Fear of missing out pode ser entendida como aquele medo de estar perdendo alguma novidade importante e ficar obsoleto, não entender uma conversa, não saber usar algum aplicativo que todo o seu círculo já sabe.

Essa tal de F.O.M.O. pode virar uma síndrome (descrita pela primeira vez no ano 2000), causar ansiedade, angústia, depressão, mau humor, que ocorre quando a pessoa utiliza desenfreadamente as redes sociais para saber o que acontece com os outros e fica comparando a sua vida com a vida, muitas vezes maquiada, de outras pessoas conhecidas ou desconhecidas e se deprime.

No entanto, como tudo pode apresentar seu lado bom, ter F.O.M.O. em níveis razoáveis, isto é, manter-se atualizado sem desespero, de forma que o ajude a não perder o bonde da história – ou, a depender de suas características, ajude você a fazer o bonde voar, pode ser um esforço necessário, saudável e não doentio. Saber não apenas por saber, mas para fazer uso das tantas inovações disponíveis ou, melhor ainda, criar novos produtos e serviços, que de alguma forma sejam melhores para todos.

A Oficina de Liderança, em seus, 21 anos sempre incentivou a todos que passaram por nossos programas a buscarem aumentar seu repertório, não apenas para que ficassem alinhados aos tempos contemporâneos, mas também e especialmente para que alimentassem suas possibilidades de serem mais criativos e encontrarem soluções de forma leve, para que a vida seja boa para as pessoas e sustentável para o planeta.

Nessun testo alternativo automatico disponibile.

Café com a Oficina: SpaceX e os 3 Rs

musk
 
A empresa SpaceX está revolucionando a indústria de viagens ao espaço. O lançamento do foguete Falcon Heavy mostrou, na prática, o que um sonho pode realizar. Este voo teste para futuras viagens à Marte mostrou que a SpaceX, além de ser uma empresa criativa e inovadora, é também irreverente e não se importando com antigos costumes da indústria aeroespacial americana ou russa, ao invés de mandar um bloco de cimento como prova do que o foguete é capaz de transportar, fez a escolha de enviar um carro vermelho cereja da Tesla Roadster, em uma ousada ação de marketing da empresa Tesla, que protagonizou o primeiro automóvel no espaço. Tornando o momento ainda mais inusitado, o carro é “pilotado” por Starman, um manequim que também serviu para fazer o teste real do traje aeroespacial. Seu nome veio da música de David Bowie, Starman – O Homem das Estrelas. Elon Musk, o empreendedor responsável pelas empresas SpaceX e Tesla disse sobre a ação: “É meio bobo e divertido, mas as coisas bobas e divertidas podem ser importantes”.
 
A força de propulsão do Falcon Heavy é correspondente a de dezoito aviões 747 e ele é capaz de transportar 64 toneladas. O mais surpreendente é que enquanto a NASA em um projeto atual de potência semelhante, o SLS, deve consumir 1 bilhão de dólares, e ainda está longe de concretizá-lo, a SpaceX, uma empresa privada, colocou o seu foguete no ar por 90 milhões de dólares.
 
Como? Usando com força total o conceito sustentável dos 3Rs: Reduzir-Reusar-Reciclar.
 
Um parte significativa dos materiais empregados são reciclados e, os propulsores são reaproveitados, isto é, eles sobem ao espaço impulsionando o foguete e retornam à terra, pousando suavemente em um engenhoso espetáculo. O uso mais corriqueiro desta tecnologia seria, por exemplo, proporcionar uma viagem de Londres a Nova York em 29 minutos, ao invés das atuais 8 horas. Partindo de um ponto da terra para qualquer outro, o tempo máximo seria de 1 hora. Imagine a revolução que isso pode trazer.
 
Pensar nos 3Rs para ações revolucionárias e não apenas como um pequeno ato de fazer de conta que está sendo sustentável pode revolucionar sua vida, sua empresa e o planeta.

Café com a Oficina: As diferentes formas de uma mesma emoção

corinthians

Cuidado genuíno é aquela ação que brota do coração. Muitas empresas vêm procurando demonstrar atitudes que as alinhem com a diversidade, mas poucas conseguem transmitir a necessária verdade para emocionar não apenas o público ao qual se direciona a ação, mas a todos que têm a oportunidade de vê-la.

A equipe do Corinthians promoveu uma atividade com o patrocínio da Alcatel e que merece ser vista sem que estraguemos a surpresa:

Conseguir emocionar seus públicos internos e externos é um desafio constante, que só consegue sucesso quando tem base no respeito, na verdade e na leveza.

Café com a Oficina: Você vai querer conhecer a Local Motors

localmotors.jpg
 
As crianças de quase todo o mundo, principalmente os meninos, passaram bons momentos de sua infância brincando de montar e desmontar carrinhos. A cada dia os automóveis dependem menos da participação de seus condutores para sua operação, deixando para trás aquela brincadeira de infância de ser o próprio montador do seu carro.
 
Por outro lado, as indústrias automobilísticas não vivem o seu melhor momento, existe grande pressão nos países mais evoluídos para que automóveis fiquem longe do centros das cidades e que parem de usar combustíveis fósseis.
 
Enquanto uma indústria automobilística chega a gastar US$ 3 bilhões no processo do desenvolvimento de um novo carro até chegar ao mercado, a Local Motors gasta US$ 3 milhões. O primeiro projeto cuidou do sonho infantil de montar o próprio carro da empresa. O Rally Fighter para existir conseguiu a união por meio da internet, de um grupo de engenheiros e designers para projetar o carro, mantendo os “direitos autorais” destes colaboradores sobre ele. Quem o adquiriu pode participar da montagem do seu próprio carro, ficando 3 semanas na montadora, por isso o nome Local Motors. Eles querem ter microfábricas em muitas localidades, para permitir a realização deste sonho por muitas pessoas, em muitos países. Ainda mais interessante, o carro tem o código fonte totalmente aberto. Isso significa que é possível montar o chassi em casa e comprar as demais partes da Local Motors ou construir em fibra. A empresa disponibiliza os desenhos do chassi, do corpo e esquema da suspensão. Tudo grátis. Apenas logar e baixar.

local-motors-olli-self-driving-vehicle-designboom-01-818x546

 
Agora, para cuidar também da questão sustentabilidade, eles cocriaram, em parceria com a IBM Watson, o Olli. Um ônibus elétrico para doze passageiros, não precisa de motorista e tem várias partes recicláveis. Impresso em impressora 3D. Pode vir a ser um novo concorrente no mercado de transporte de passageiros, ameaçando inclusive o Uber, taxistas e empresas de transporte. Ele leva 11 horas para ficar pronto, 10 para impressão e 1 hora para montagem. Antes do Olli, haviam lançado o Strati, considerado o primeiro carro impresso em 3D, por ter sua carroceria produzida pela impressora. O diferencial do Olli é sua autonomia e a parceria com a IBM que traz a inteligência do Watson para o miniônibus. O passageiro poderá interagir com o Olli e dizer para onde quer ir e também perguntar como ele funciona. É a internet das coisas em ação.
 
O cofundador e CEO da Local Motors, John Roger, uniu duas questões: o sonho infantil com um modelo de negócio inovador e sustentável. Se o seu sonho ou de sua empresa não estão claros, ou estão baseados apenas no lucro, o futuro deve ser sombrio por aí.
 
https://localmotors.com/
Fotos: Divulgação Local Motors

Café com a Oficina: Imagem & Realidade

laranjas.jpg

A revista da Gol ganhou uma repaginação e, no seu primeiro número, trouxe na capa o casal Alexandre Herchcovitch e Fábio Souza, que conta sobre a adoção de seus dois filhos. A escolha não é aleatória e alinha a imagem da empresa com o contemporâneo, o novo, o atual.

Não são bem sucedidas as tentativas de criar falsa imagem, onde o marketing não reproduz a imagem real, mas sim uma casca, desprovida de vida e verdade.

Com as pessoas se dá o mesmo. A imagem de cada pessoa está constantemente em exposição para mais ou para menos espectadores, que conseguem discernir com clareza se há verdade ali e qual é essa verdade.

Isso não significa que as pessoas não podem evoluir, sim devem! E o interessante é ver este esforço em uma saudável competição consigo, mesmo desfraldada com sinceridade, com acertos e erros, com tentativas legais de ser melhor do que era ontem.

A empresa italiana de chocolates Bacci, traduziu em um ato simples, porém charmoso e significativo, este esforço válido de alinhar sua imagem a coisas que valem a pena: abrindo o bombom, no singelo papel que o envolve, eles presenteiam com mais do que o prazeroso chocolate: um breve poema escrito em várias línguas faz o momento ser ainda mais especial.

Cuidar da sua imagem e da empresa, alinhá-la às expectativas de seus clientes e, mais, surpreendê-los com atitudes inovadoras, ou carinhosas, ou sustentáveis alinhadas à essa imagem é sempre um bom passo para causar boas e autênticas impressões.