Polinizando ideias: A boa saúde no contato com a arte

cuba.jpg

A busca pela saúde é um dos temas que mais tem interessado os seres humanos. Uma relação já ficou bastante clara há mais de um século: a saúde mental interfere na saúde física de maneira direta e indireta. Doenças aparecem no corpo quando a mente não anda bem. Felizmente, o contrário também é verdadeiro e uma mente estimulada traz benefícios diretos ao corpo.

Uma pesquisa realizada pela Universidade de Berkeley na Califórnia, EUA, constatou o que empiricamente muitos já consideravam como certo: entrar em contato com obras de arte faz bem à saúde. Constataram que se impressionar com um quadro, por exemplo, pode fazer tanto efeito sobre o corpo quanto uma série de exercícios na academia. É uma ação anti-inflamatória que também é conseguida pela observação da natureza.

Nosso convite hoje é que você observe e mergulhe nesta pintura que se intitula The Big Fish, do pintor Julio Larraz, nascido em Cuba em 1944, hoje residente em Washington-EUA.

Observe os azuis, os brancos e todas as cores e nuances que puder identificar. Analise os contrastes, os movimentos.

Mergulhe e observe o grande peixe, imagine suas intenções. Sinta o peso dos remos. Imagine a maravilhosa árvore que possibilitou a existência deste barco. Crie sua história para o solitário pescador. Quem é? Onde está? O que faz e o que quer da vida? Quais sensações estão registradas nesta tela? Quais emoções esta viagem por essa obra provoca em você?

Deixar-se maravilhar é cuidar da sua saúde física e mental.

A visita a um museu, a uma galeria de arte, a leitura de um livro, o contato com a música e todo o tipo de obrar de arte que lhe inspira pode fazer uma grande diferença na sua capacidade de criar. Experimente.
Para saber mais sobre a pesquisa: http://news.berkeley.edu/2015/02/02/anti-inflammatory/

Para saber mais sobre Julio Larraz: http://juliolarraz.com/

Café com a Oficina: Atividade Física e Concentração

concentração

O dia a dia no trabalho nos pede concentração, criatividade e energia para enfrentar todos os desafios. Todos sabemos que a atividade física faz bem para o corpo e alguns estudiosos pesquisam a relação da atividade física e a reação cerebral. Vamos entender um pouquinho esses estudos.

A citação “Mens sana in corpore sano” (“uma mente sã num corpo são”) do filósofo romano Juvenal, está ainda mais comprovada com trabalhos realizados pela Faculdade de Educação Física da UNICAMP em conjunto com o médico neurologista da Faculdade de Ciências Médicas (FCM) da Unicamp Li Li Min.

O trabalho começou com uma pesquisa em 2006, na qual o doutor em saúde mental Wantuir Francisco Siqueira Jacini (na época educador físico), analisou em humanos os efeitos que os exercícios físicos podem causar no sistema nervoso central. O estudo revela os primeiros resultados sobre as alterações estruturais que ocorrem em uma das áreas mais complexas do corpo humano pela prática de atividade física.

A pesquisa foi realizado com atletas de alta performance – judô e corrida de fundo. O judô demanda planejamento de atividades motoras e forte condicionamento físico. A corrida, por ser um exercício cíclico e contínuo, demanda pouca aprendizagem motora e muito condicionamento físico.

O resultado do estudo demonstrou que o judô estimula o aumento de massa cinzenta nas áreas motoras e em áreas ligadas ao planejamento. Já a corrida apresentou aumento e diminuição de massa cinzenta em diversas áreas do cérebro, mesmo assim apresentou ganho.

A conclusão do estudo é que o planejamento motor e execução do movimento, associada à prática de exercícios físicos podem induzir à maior plasticidade do cérebro.

Em 2011, uma outra equipe da mesma universidade fez um novo trabalho, relacionando diretamente o esporte com o nível de concentração e atenção. Foram escolhidos 12 alunos sedentários que passaram por testes de raciocínio e concentração e começaram a jogar badminton (esporte pouco praticado no Brasil, que exige rapidez, reflexo, estratégia, coordenação motora entre outras habilidades). Depois de 1 mês repetiram os testes e o resultado foi impressionante: 11 dos 12 participantes obtiveram melhores notas.

Outros trabalhos estão acontecendo e neles é possível perceber, por meio de ressonância magnética, como reage o cérebro no momento do esforço de um exercício físico. Quanto maior o esforço, maior a área do cérebro que reage. Quanto mais estímulos de coordenação motora, planejamento e esforço físico melhor para a mente.

O importante é não ficar parado. Saúde física e mental estão unidas pelo movimento. Mexa seus músculos e seu cérebro e você ficará surpreso com os resultados.