Café com a Oficina: Sua geladeira já fala com você?

internet
 
A Internet das Coisas (Termo que vem do inglês Internet of Things – IoT – objetos conectados à internet e se comunicando) está avançando em velocidade impressionante e já é realidade, que se espalhará rapidamente nos objetos que usamos cotidianamente.
 
Já existem, por exemplo, pulseiras que detectam e armazenam dados de saúde do usuário, tais como batimentos cardíacos, distância percorrida e quantidade de passos e os armazenam em um aplicativo no celular. Podem também enviar dicas, que ajudam a melhorar a saúde de acordo com os dados detectados.
 
Para quem tem problemas de sono, já existe uma máscara que mede o movimento dos olhos, ondas cerebrais e tensão muscular. Com estes dados ajudará o usuário a entender melhor seu sono e definir o tempo dormindo e hora ideal para acordar, de acordo com sua fisiologia.
 
Para as casas é possível interagir à distância, pelo celular (sem intervenção humana, baseado nos parâmetros que você determinou ou, em sistemas inteligentes, onde eles mesmos aprendem a rotina dos moradores e fazem as devidas adequações) e ligar e desligar luzes, ar condicionado, avisar com estardalhaço nos smartphones dos donos se houver detecção de fumaça, por exemplo, ou passagens de pessoas por determinada câmera de segurança. A geladeira, detectando a falta de produtos, poderá emitir uma lista de compras diretamente ao supermercado predileto do dono. Existem lâmpadas inteligentes que podem ser controladas pelo celular, mudando a intensidade ou a cor, deixando o ambiente adequado à situação desejada: mais alegre, mais íntimo, mais confortável.
 
Os carros autônomos e elétricos, além dos controles de caminho via GPS, música e rádio ligados ao celular, poderão se comunicar entre si: um carro com outro carro, e fazerem escolhas de trajeto a partir das informações. Além disso fazem auto check-up completo do veículo, prevenindo o usuário para tomar providências.
 
Sensores podem ajudar a rastrear objetos comumente furtados, como toalhas de hotéis, e tantos outros.
 
As empresas podem imaginar uma rede social das coisas, onde uma máquina interage com outra e toma decisões sem interferência humana ou envia dados e análises para tomada de decisão. Máquinas com auto check-up reduzirão custos e aumentarão a qualidade das manutenções preditivas e preventivas. Sensores que detectam problemas e/ou drones que patrulham as mais diversas condições, simplificarão a tomada de decisão.
 
Sua empresa e você já estão se preparando para estas possibilidades?

Café com a Oficina: o Brasil dos robôs (é uma ótima notícia)

robot.jpg

Café com a Oficina: o Brasil dos robôs (é uma ótima notícia)

Em um cenário em que vários futurólogos apostam que, das crianças que estão entrando nas escolas, 65% trabalharão em empregos que não existem hoje, é caso de se pensar sobre o que vale a pena estudar.

Se acrescentarmos que, além das crianças, milhões de adultos que estão vivos hoje, ainda estarão trabalhando nos próximos 50 anos, conclui-se que muitos deles também, como as crianças, estarão em empregos do futuro.

Com este cenário, um interesse que parece promissor é a robótica. Este é um campo ainda com cheiro de ficção científica, mas as fábricas já vêm há anos substituindo mão-de-obra humana pelos precisos e obedientes robôs e, para onde se olhe, há algum sinal de que muita novidade (boa e ruim) se avizinha.

Quando olhamos para outros países mais tecnológicos, a tendência é pensar que estamos a milhares de milhas da qualidade deles neste campo. No entanto, uma boa notícia chega para acalentar um pouco esse medo de que viveremos sempre às sombras das tecnologias alheias.

Em um grande festival de robótica, o World Festival, realizado em Houston – EUA, que é considerado a Copa do Mundo da Robótica e que teve 108 equipes competidoras, de estudantes de todo o mundo, com idades de 9 a 16 anos, o Brasil obteve não apenas o primeiro lugar, com a equipe Red Rabbit, com alunos do SESI de Americana-SP, como também o terceiro lugar com a equipe Jedi’s, do SESI de Jundiaí – SP, formada só de meninas. E tem mais: a equipe Big Bang, do SESI de Birigui – SP, ficou em primeiro lugar na apresentação do projeto de pesquisa e a equipe Thunderbóticos, do SESI de Rio Claro – SP, conquistou o segundo lugar em programação do robô.

Pode ser apenas uma gotinha de lubrificante no oceano de ferrugem das nossas necessidades, mas é um sinal de que podemos mais. Claro que nada disso veio sem muito esforço sincronizado de alunos, pais, escolas, professores. Essa é uma ação que precisa inspirar outros esforços na sua família, sua escola, sua equipe de trabalho, sua empresa, sua cidade.

O futuro é incerto, mas é certo e claro que as bases dele estão sendo construídas hoje, a partir de esforço, dedicação e sabedoria. E nada disso cai do céu.

Café com a Oficina: Você sabe o que é F.O.M.O.?

fomo.jpg

Com a distribuição da informação a níveis nunca antes sonhados, veio também um certo desespero “em se saber que não se sabe o que se deveria saber”. Só a avalanche de novos termos para designar novos produtos, serviços ou sentimentos arrasta a todos, sem dó nem piedade.

F.O.M.O. que é a sigla em inglês para Fear Of Missing Out é um destes termos, que pode ou não ser duradouro, mas que traz em si um sentimento recorrente dos que não querem deixar de saber das novidades e entender as mudanças. A expressão Fear of missing out pode ser entendida como aquele medo de estar perdendo alguma novidade importante e ficar obsoleto, não entender uma conversa, não saber usar algum aplicativo que todo o seu círculo já sabe.

Essa tal de F.O.M.O. pode virar uma síndrome (descrita pela primeira vez no ano 2000), causar ansiedade, angústia, depressão, mau humor, que ocorre quando a pessoa utiliza desenfreadamente as redes sociais para saber o que acontece com os outros e fica comparando a sua vida com a vida, muitas vezes maquiada, de outras pessoas conhecidas ou desconhecidas e se deprime.

No entanto, como tudo pode apresentar seu lado bom, ter F.O.M.O. em níveis razoáveis, isto é, manter-se atualizado sem desespero, de forma que o ajude a não perder o bonde da história – ou, a depender de suas características, ajude você a fazer o bonde voar, pode ser um esforço necessário, saudável e não doentio. Saber não apenas por saber, mas para fazer uso das tantas inovações disponíveis ou, melhor ainda, criar novos produtos e serviços, que de alguma forma sejam melhores para todos.

A Oficina de Liderança, em seus, 21 anos sempre incentivou a todos que passaram por nossos programas a buscarem aumentar seu repertório, não apenas para que ficassem alinhados aos tempos contemporâneos, mas também e especialmente para que alimentassem suas possibilidades de serem mais criativos e encontrarem soluções de forma leve, para que a vida seja boa para as pessoas e sustentável para o planeta.

Nessun testo alternativo automatico disponibile.

Café com a Oficina: Reinventando a roda!

pneu.jpg

Os pneus são os um dos grandes elementos poluidores do mundo. Algumas ações vêm sendo feitas para aumentar sua reciclagem, no entanto o futuro pode vir a ser muito diferente para estes borrachudos.

A Michelin apresentou na conferência Movin’On em Montreal, uma roda conceito com o nome Airless Vision. É uma ideia revolucionária que une roda e pneu em uma peça única e sem ar. Como já publicamos aqui no Café com a Oficina, a biomimética é uma fonte inesgotável de ideias e, nesse caso, foi a estrutura celular dos corais que inspirou o design conceito dessa roda. Ele é impresso em 3D a partir de materiais biodegradáveis ​​que incluem borracha natural, bambu, papel, latas, madeira, resíduos eletrônicos e plásticos, aparas de pneus, metais usados, roupas, papelão, melaço e cascas de laranja.

A Goodyear não deixou por menos e também investiu na ideia de que o futuro do transporte será movido à energia verde. Seu novo conceito para pneu se chama Oxygene e, vejam só, integra musgo vivo para ajudar a melhorar a qualidade do ar enquanto você viaja. Ele também é impresso em 3D com pneus reciclados e inclui uma luz para ajudar a manter os pedestres seguros.

Disse Terry Gettys, vice-presidente executivo de pesquisa da Michelin: “Você pode estar pensando – bem, isso é um sonho – e você está certo. É um sonho. No entanto, é um sonho altamente realista, já que cada componente do conceito já é um tópico de pesquisa ativo na Michelin.”

E você? Está ajudando sua empresa a sonhar?

Café com a Oficina: SpaceX e os 3 Rs

musk
 
A empresa SpaceX está revolucionando a indústria de viagens ao espaço. O lançamento do foguete Falcon Heavy mostrou, na prática, o que um sonho pode realizar. Este voo teste para futuras viagens à Marte mostrou que a SpaceX, além de ser uma empresa criativa e inovadora, é também irreverente e não se importando com antigos costumes da indústria aeroespacial americana ou russa, ao invés de mandar um bloco de cimento como prova do que o foguete é capaz de transportar, fez a escolha de enviar um carro vermelho cereja da Tesla Roadster, em uma ousada ação de marketing da empresa Tesla, que protagonizou o primeiro automóvel no espaço. Tornando o momento ainda mais inusitado, o carro é “pilotado” por Starman, um manequim que também serviu para fazer o teste real do traje aeroespacial. Seu nome veio da música de David Bowie, Starman – O Homem das Estrelas. Elon Musk, o empreendedor responsável pelas empresas SpaceX e Tesla disse sobre a ação: “É meio bobo e divertido, mas as coisas bobas e divertidas podem ser importantes”.
 
A força de propulsão do Falcon Heavy é correspondente a de dezoito aviões 747 e ele é capaz de transportar 64 toneladas. O mais surpreendente é que enquanto a NASA em um projeto atual de potência semelhante, o SLS, deve consumir 1 bilhão de dólares, e ainda está longe de concretizá-lo, a SpaceX, uma empresa privada, colocou o seu foguete no ar por 90 milhões de dólares.
 
Como? Usando com força total o conceito sustentável dos 3Rs: Reduzir-Reusar-Reciclar.
 
Um parte significativa dos materiais empregados são reciclados e, os propulsores são reaproveitados, isto é, eles sobem ao espaço impulsionando o foguete e retornam à terra, pousando suavemente em um engenhoso espetáculo. O uso mais corriqueiro desta tecnologia seria, por exemplo, proporcionar uma viagem de Londres a Nova York em 29 minutos, ao invés das atuais 8 horas. Partindo de um ponto da terra para qualquer outro, o tempo máximo seria de 1 hora. Imagine a revolução que isso pode trazer.
 
Pensar nos 3Rs para ações revolucionárias e não apenas como um pequeno ato de fazer de conta que está sendo sustentável pode revolucionar sua vida, sua empresa e o planeta.

Café com a Oficina: A importância de ficar com a mente alerta

mente aberta.jpg
O médico obstetra francês Sthépane Tarnier trabalhava na Maternité Paris, que atendia mulheres pobres. Em um dia de folga nos idos de 1870, foi passear no Paris Zoo e acabou por deparar-se com chocadeiras de frangos. O calor que apoiava os pintinhos recém saídos dos ovos a iniciar sua jornada pela vida iluminou o pensamento de Tarnier.

Com uma ideia em mente, contratou Odile Martin, responsável do Zoo de Paris por aves domésticas e lhe encomendou uma chocadeira, porém para seres humanos. Naquela época, mesmo na França, a mortalidade infantil era muito alta. Um em cada cinco bebês morriam antes mesmo de engatinhar e, caso fossem prematuros abaixo do peso, este número era bem maior, chegando a 66%.

Tarnier controlou os resultados estatisticamente, mostrando que o uso das estufas reduzia imediatamente as mortes de bebês prematuros a 38%. Rapidamente o conselho municipal de Paris obrigou a todo o hospital dispor de uma incubadora.

As incubadoras modernas, que incluem oxigenoterapia fizeram cair 75% das mortes. Isso coloca as incubadoras como o maior avanço científico na medicina do século XX, em termos de vidas a mais e anos a mais nas vidas salvas do que inventos muito mais complexos.

Infelizmente esse invento não repercute da mesma forma em países pobres, pois as incubadoras modernas são caras e de difícil manutenção. Hoje a taxa de mortalidade infantil nos EUA está abaixo de 10 por 10.000 nascimentos, enquanto que em países como a Libéria e o Congo, morrem mais de 100 bebês a cada 10.000 nascimentos.

Aí entra outra pessoa de mente aberta como o Dr. Tarnier, que é o professor do MIT Massachusetts Institute of Technology, Timothy Prestero. Ele percebeu que em países pobres existe uma vasta competência em consertar automóveis. Assim, resolveu construir uma incubadora com peças de automóveis, fáceis de encontrar no mundo subdesenvolvido. Conseguiu o feito e a incubadora chama-se Neonurtune, por fora é parecida com uma moderna incubadora, mas por dentro um farol de carro é que produz o calor, ventoinhas fazem o ar circular, uma bateria de motocicleta provê a energia necessária e o melhor, qualquer mecânico de automóveis consegue consertá-la.

Boas ideias podem, como já mostramos em outro post, serem adaptações de coisas existentes e funcionarem de modo simples e eficaz nas diversas condições existentes.

É preciso deixar a mente aberta e alerta – e isso só se consegue quando há interesse genuíno no que se faz. Não esqueça da estatística, pois ela dá força e os recursos necessários para que a ideia ganhe vida. Não é à toa que as empresas apoiadoras de novas ideias chamam-se incubadoras. Calor e cuidado: é disso que as boas ideias precisam para sobreviver.

Caso citado no Iivro:
“De onde vêm as boas ideias”, de Steven Johnson

Imagem:
“Taking a Lesson from the Past – Flower Face”
Yong Meon Kang
2004
Korean Art Museum Association

Café com a Oficina: Você vai querer conhecer a Local Motors

localmotors.jpg
 
As crianças de quase todo o mundo, principalmente os meninos, passaram bons momentos de sua infância brincando de montar e desmontar carrinhos. A cada dia os automóveis dependem menos da participação de seus condutores para sua operação, deixando para trás aquela brincadeira de infância de ser o próprio montador do seu carro.
 
Por outro lado, as indústrias automobilísticas não vivem o seu melhor momento, existe grande pressão nos países mais evoluídos para que automóveis fiquem longe do centros das cidades e que parem de usar combustíveis fósseis.
 
Enquanto uma indústria automobilística chega a gastar US$ 3 bilhões no processo do desenvolvimento de um novo carro até chegar ao mercado, a Local Motors gasta US$ 3 milhões. O primeiro projeto cuidou do sonho infantil de montar o próprio carro da empresa. O Rally Fighter para existir conseguiu a união por meio da internet, de um grupo de engenheiros e designers para projetar o carro, mantendo os “direitos autorais” destes colaboradores sobre ele. Quem o adquiriu pode participar da montagem do seu próprio carro, ficando 3 semanas na montadora, por isso o nome Local Motors. Eles querem ter microfábricas em muitas localidades, para permitir a realização deste sonho por muitas pessoas, em muitos países. Ainda mais interessante, o carro tem o código fonte totalmente aberto. Isso significa que é possível montar o chassi em casa e comprar as demais partes da Local Motors ou construir em fibra. A empresa disponibiliza os desenhos do chassi, do corpo e esquema da suspensão. Tudo grátis. Apenas logar e baixar.

local-motors-olli-self-driving-vehicle-designboom-01-818x546

 
Agora, para cuidar também da questão sustentabilidade, eles cocriaram, em parceria com a IBM Watson, o Olli. Um ônibus elétrico para doze passageiros, não precisa de motorista e tem várias partes recicláveis. Impresso em impressora 3D. Pode vir a ser um novo concorrente no mercado de transporte de passageiros, ameaçando inclusive o Uber, taxistas e empresas de transporte. Ele leva 11 horas para ficar pronto, 10 para impressão e 1 hora para montagem. Antes do Olli, haviam lançado o Strati, considerado o primeiro carro impresso em 3D, por ter sua carroceria produzida pela impressora. O diferencial do Olli é sua autonomia e a parceria com a IBM que traz a inteligência do Watson para o miniônibus. O passageiro poderá interagir com o Olli e dizer para onde quer ir e também perguntar como ele funciona. É a internet das coisas em ação.
 
O cofundador e CEO da Local Motors, John Roger, uniu duas questões: o sonho infantil com um modelo de negócio inovador e sustentável. Se o seu sonho ou de sua empresa não estão claros, ou estão baseados apenas no lucro, o futuro deve ser sombrio por aí.
 
https://localmotors.com/
Fotos: Divulgação Local Motors

Café com a Oficina: A Tesla e a criação do futuro

 tesla

Você conhece a Tesla? Seu CEO, Elon Musk, fazia parte de dois conselhos consultivos do governo americano e declarou esta semana em seu Twitter, momentos após Donald Trump anunciar que os EUA estavam deixando o acordo de Paris: “Estou abandonando os conselhos presidenciais. A mudança climática é real. Deixar o Acordo de Paris não é bom para a América ou para o mundo”. Após ele tomar essa decisão, vários CEOs de grandes empresas americanas o acompanharam.

 Sair na frente é o que a Tesla tem feito nos últimos tempos e os números acabam por antecipar um sucesso que possivelmente virá. Em abril/2017 a Tesla ultrapassou a centenária Ford em valor de mercado, passando a ser cotada em US$ 47,46 bilhões contra US$ 44,89 bilhões da Ford. O mais interessante dessa notícia é que a Ford produziu no primeiro trimestre do ano 1,7 milhão de carros e a Tesla apenas 25 mil carros.

 O que o mercado está valorizando é a visão privilegiada do futuro que a Tesla tem, com a produção exclusiva de carros elétricos e pensando inovações significativas, como pontos de recarga no meio das estradas e uma aplicação aos moldes do Uber, que eles já estão desenhando para o futuro.

 Elon Musk já tem dito a que veio. Além da Tesla Motors, foi criador do PayPal (que revolucionou os meios de pagamento) e da SpaceX (que está balançando os alicerces da conquista do espaço). Seu posicionamento em defesa do Acordo de Paris, que é um tratado que rege medidas de redução de emissão de dióxido de carbono a partir de 2020 e sua meta mais importante é tentar conter o aquecimento global, mostra a beleza e a força que tem um discurso alinhado com a prática.

 Empresas e suas pessoas, seus dirigentes, seus colaboradores não são desvinculados e mostram o que realmente se quer para o futuro. O mercado percebe e, por mais mercantilista (redundantemente falando) que seja, sabe que sem futuro não há possibilidades de ganhos para ninguém. Assim, investir em um futuro sustentável é dever e benefício de todos.

 O planeta e todas as suas demais criaturas agradecem.

Café com a Oficina: Os empregos e o futuro

mondo novo

Na Rússia, uma casa foi feita em apenas 24 horas, a um custo menor por m² do que o de construções tradicionais e mais: com durabilidade, qualidade e conforto muito superiores. Ela foi construída com uma impressora 3D, que usa massa de concreto ao invés de tinta ou massa plástica.
A empresa que realizou o feito tem como meta ser a maior empresa de construção para resolver problemas de acomodação em todo o mundo, de forma rápida, ecológica, eficiente e confiável.

Lá se vão, em muito breve, muitas categorias de trabalhadores e lá vem profissões ainda nem imaginadas, como operador de impressora ou projetista de edificações em 3D.

A IBM já comercializa consultas ao Watson. Um computador capaz de dar diagnósticos financeiros, jurídicos, oncológicos e muito mais, com precisão muito acima dos humanos, mesmo aqueles com vasto conhecimento técnico.

As profissões mudam e fazem o mundo mudar. É preciso repensar muita coisa, não apenas em termos técnicos, mas também comportamentais para dar conta desse novo mundo que alguém cria ou fazer parte da criação de um novo mundo que valha a pena para todas as criaturas que nele habitam.

Para saber mais de casas impressas: http://apis-cor.com/en/

Para saber mais do Watson: https://www.ibm.com/watson/br-pt/

Imagem:
Detalhe de “Mondo Novo”
Giandomenico Tiepolo
1791
Fondazione Musei Civici di Venezia

Polinizando Ideias: Rosetta em Pedra, Nave e…

rosetta.jpg

Primeiro a pedra: O Egito antigo, com suas pirâmides, faraós e história milenar era um grande mistério, pois não havia ninguém no planeta capaz de decifrar a antiga linguagem dos egípcios, os hieróglifos. Em 1799, o exército de Napoleão encontrou uma grande pedra de granito pesando mais de 700 quilos. Na pedra estava escrito em baixo relevo três vezes o mesmo texto em três línguas: grego antigo, demótico-que era uma língua egípcia já conhecida na época, e os indecifráveis hieróglifos.

O texto, que era um decreto do rei egípcio Ptolomeu V, promulgado em 196 a.C. possibilitou que estudiosos finalmente decifrassem os hieróglifos e adentrassem à milenar cultura egípcia. Um elo perdido foi restaurado por meio da linguagem e a história da humanidade ficou mais clara e completa. O termo Pedra de Rosetta é utilizado hoje em dia em outros contextos, para se referir a alguma informação essencial de um campo novo de conhecimento.

Agora a Nave: Hoje, 30/09/2016, às 8:20h horário de Brasília, a sonda Rosetta aterrissou no cometa 67P e finalizou com sucesso, há 850 milhões de quilômetros da Terra, sua missão que começou a ser planejada na década de 1990, em projeto conjunto entre a NASA e a ESA (Agência Espacial Européia).

A missão que buscou compreender o surgimento do Sistema Solar foi lançada em março de 2004 com o objetivo de alcançar o 67P e soltar sobre ele o módulo robótico Philae (Philae é o nome de um obelisco egípcio que também ajudou a traduzir a Pedra de Rosetta). O robozinho conseguiu realizar um feito inédito, que emocionou o mundo, em novembro de 2014, pousou no cometa, no entanto o robô ficou em uma área de sombra, sua bateria não pode ser recarregada, mas mesmo assim, cumpriu 80% das análises que lhe cabiam.

A viagem espacial de 12 anos da sonda ofereceu dados que ampliaram o que se sabia sobre o aparecimento da vida na Terra. A missão histórica buscou compreender o surgimento do Sistema Solar, já que os cometas são vestígios da sua matéria primitiva. As últimas imagens da Rosetta enviadas hoje à Terra mostraram o solo do cometa dez segundos e cinco segundos antes do impacto.

A arte, na imaginação de pintores, escultores, escritores e poetas muitas vezes antecipa a ciência. Guilherme Arantes, na década de 1980 compôs a música “Lindo Balão Azul”, com o marcante refrão “Pegar carona nessa cauda de cometa, ver a via Láctea, estrada tão bonita…”

Aproveite a incrível e única capacidade do ser humano de relacionar os vários saberes, eternizados pela linguagem, imaginados pela arte, concretizados pela ciência e vivenciados pela capacidade de sentir de cada um de nós.

Pouso da Roseta com narração do cientista brasileiro Lucas Fonseca, que participou da missão: https://goo.gl/nXw0l1
Para saber mais sobre o pouso do Philae: https://goo.gl/YoWv5x